Category Archives: advertising

30 minutos de apagão iluminaram o caminho para a nova publicidade.

O maior vencedor do SuperBowl foi a segunda tela e o pensamento rápido de alguns criativos e clientes.

A esta altura você deve estar de saco cheio de tanto ler/ouvir/assistir a análises sobre o SuperBowl XLVII. Esportivamente os favoritos San Francisco 49ers foram surpreendidos pela tática do Baltimore Ravens, treinados por dois irmãos que se conheciam intimamente e que fizeram história no esporte americano. O conto da quase recuperação milagrosa dos 49ers, que marcaram 4 vezes consecutivas e chegaram a 2 pontos do título.

Para nós, publicitários, a disputa é sempre outra: quem vai apresentar o comercial mais engraçado, mais tocante, mas memorável? Quem vai ter o melhor ROI sobre os quase 3 milhões de dólares por 30”? Os especialistas apontam a campanha da Dodge Ram saudando os fazendeiros e o filme da Anomaly para Budweiser sobre um potrinho que cresce para se tornar integrante da tradicional equipe de pôneis da marca como os mais tocantes e lembrados, junto com as tradicionais piadas sobre nerds e gostosas da GoDaddy e os crowdsourced de Doritos.

O ponto de desequilíbrio veio no meio do 3º quarto do jogo, após a superprodução que foi o show de Beyoncé no intervalo. De repente as luzes do moderno SuperDome se apagaram, deixando no escuro e com cara de jogo da quarta divisão brasileira o maior evento esportivo do ano americano. Tirando a paranóia que tomou conta de alguns – mais de um filme já sugeriu o SuperBowl como alvo ideal de terrorismo – as piadas começaram: O roadie da cantora teria desligado a chave-geral ao desligar a máquina de playbacko apagão que San Francisco experimentava no campo se alastrou para a rede elétrica

Depois de excruciantes 37min de espera, os refletores foram acesos novamente e o jogo recomeçou. Mas os gols mais importantes foram marcados nas redes sociais. Enquanto a grade de comerciais de TV estava pronta há semanas – e os comerciais gravados e editados – algumas marcas correram com seus criativos e despejaram alguns dos melhores anúncios de oportunidade já vistos.


Primeiro a Audi twittou uma bela provocação contra a Mercedes-Benz, que detém os naming rights do estádio: “Estamos mandando alguns LED’s para o Mercedes-Benz SuperDome”, soltou o perfil oficial da montadora das quatro argolas, conhecida por seus faróis de led.

Logo depois a Oreo soltou uma imagem via twitter e Instagram, com um de seus conhecidos biscoitos no canto superior esquerdo e o resto da imagem escura, com a frase: “Não se preocupe: dá para molhar seu biscoito no leite mesmo no escuro!

(Aqui uma explicação de como eles conseguiram fazer a peça tão rapidamente)

Até um trocadilho infame – e que talvez não passasse numa reunião de aprovação normal – foi para o ar, com a marca de sabão em pó Tide afirmando que “We can’t get your blackout, but we can get your stains out!” Momento tudumpixxxx, mas devidamente amarrado com o filme programado para o 4º quarto e usando a hashtag da campanha.

A Duracell usou o Facebook para cutucar “Se fosse Duracell alimentando o SuperDome…”
   
Na hora em que a enxurrada de criatividade rápida inundava as redes, o Ale Jungermann fez uma pergunta seminal: Se fosse aqui no Brasil teríamos esta agilidade? Na hora respondi com um sonoro “Não!”, e mantenho minha posição, mesmo com tristeza no coração. Tirando as equipes de Social de Ponto Frio e Bradesco, e a não ser que o community manager da marca estivesse muito em linha com a agência/cliente, uma ousadia destas nunca veria a luz – ou a escuridão.

Mas que a semente da ousadia e o resultado em citações, TrendTopics e engajamento sirvam de inspiração para o mercado brasileiro.

Números do segundo trimestre

Mais uma vez meu amigo Dan Calladine, Head de Media Futures da Aegis Media, em Londres, publicou a atualização do excelente Next Generation Media Quarterly

Neste report Dan fala sobre o lançamento do Google+, a ascenção contínua dos smartphones, jogos de iPad para gatos(!!!) e o já consagrado ‘Splitscreen’, filme rodado inteiramente com dois Nokia N8.

Boa leitura!

Quem dirige também vai ao cinema

Como os leitores do Wordsmith sabem, faço parte do time de blogueiros que estão experimentando o novo Chevrolet #Prisma. O carro é muito bacana e as nossas experiências, dentro de cada pilar (Maestro Billy – Potência, Lili Ferrari – Conforto, Jeff – Economia) estão sendo publicadas no site oficial do modelo: http://www.chevroletprisma.com.br

Agora a Chevrolet vai dar presentes também para os leitores do Wordsmith.

São 20 (isto mesmo, VINTE) pares de ingressos do Cinemark para quem responder à Promoção “Quem dirige também vai ao cinema“.

A pergunta é:

    Se você pudesse economizar muito com o seu carro, em que você investiria?

As melhores respostas levam um par de ingressos cada (válidos para toda a rede Cinemark do Brasil, salas iMax/3D. O regulamento está aqui

Prepare a pioca, inspire-se e manda bala nos comentários! Valendo!

Este post contém conteúdo comercial. Embora patrocinado, o texto representa as opiniões deste escriba!

Empire Avenue: Social Media no estilo da Bolsa de Valores

Jeremiah Owyang, diretor do Altimeter Group e um dos principais pensadores e estrategistas do mercado de Social Media, definiu o Empire Avenue como “Farmville for Social Media”.

Empire AvenueA parada funciona assim: Imagine um ambiente em que você – ou sua empresa – emite ações. De início vc entra no pregão com um valor inicial de 9,00 Eaves (a moeda local. E de Empire e AVE de Avenue, sacou?). Sua cotação vai subindo à medida em que você compra ações de outros participantes, executa ações de interligação de suas redes sociais – dá pra conectar LinkedIn, Twitter, Facebook, Flickr – e compra itens de luxo. Assim como outros Social Games, a propriedade destes itens não te dá nada físico, mas aumenta seu valor percebido e sua cotação no universo do Empire Ave.

Já começa um movimento de compra e venda de ações entre os participantes, para se valorizarem mutuamente. Mas a grande oportunidade é para marcas. E como funciona isto?

O time de desenvolvedores – baseados em Alberta, Canada – já tem um belo volume de algoritmos, que medem a interação entre as diversas redes em que o participante tem conta. Isto pode ser uma excelente ferramenta de interação e de monitoramento da reputação desta marca. Claro que o volume nos EUA vai ser muito maior do que no Brasil, mas vale analisar e acompanhar a evolução do site. Pode servir como uma alternativa ao Klout, por exemplo, com a integração dos canais e o efeito capilarizado das presenças das marcas.

O aplicativo para Facebook é nativo – e com uma interface bem bacana. O app para iPhone é produzido por um terceiro, custa 0,99 obamas e tem a mesma cara de um aplicativo de investimento em bolsa.

É bacana ver o ticker de ações passando pela tela com os símbolos dos nomes tão conhecidos do nosso dia-a-dia no Twitter, Facebook e etc: Meus melhores investimentos até agora são Lalai, RCobra, JOwyang e Intel.

Para conhecer o Empire Avenue, faça sua inscrição aqui e depois compre algumas das minhas ações.

Lembre-se: assim como na Bolsa, o ideal é comprar na baixa e vender na alta. por isso, não se sinta menosprezado se eu vender as suas ações. São só negócios :-)